terça-feira, março 13, 2007

1970 (Retrato)

A minha geração já se calou, já se perdeu, já amuou,
já se cansou, desapareceu, ou então casou, ou então mudou,
ou então morreu; já se acabou.

A minha geração de hedonistas e de ateus, de anti-clubistas,
de anarquistas, deprimidos e de artistas, e de autistas
estatelou-se docemente contra o céu.

A minha geração ironizou o coração, alimentou a confusão,
brincou às mil revoluções amando gestos e protestos e canções,
pelo seu estilo controverso.

A minha geração só se comove com excessos, com hecatombes,
com acessos de bruta cólera, de mortes, de misérias, de mentiras,
de reflexos da sua funda castração.

A minha geração é a herdeira do silêncio,
dos grandes paizinhos do céu,
da indecência, do abuso,
e um belo dia esqueceu tudo e fez-se à vida
na cegueira do comércio.

A minha geração é toda a minha solidão, é flor de ausência, sonho vão,
aparição, presságio, fogo de artifício, toda vício, toda boca
e pouca coisa na mão.

Vai minha geração, ergue a cabeça e solta os teus filhos no esplendor
do lixo e do descuido, deixa-te ir enquanto o sabor acre da desistência vai
corroendo a doçura da sua infância.
Vai minha geração, reage, diz que não é nada assim,
que é um lamentável engano, erro tipográfico, estatística imprecisa, puro
preconceito, que o teu único defeito é ter demasiadas
qualidades e tropeçar nelas.
Vai minha geração, explica bem alto a toda a gente que és por demais
inteligente para sujar as mãos neste velho processo, triste traste de Deus,
de fingir que o nosso destino é ser um bocadinho melhores do que antes.
Vai minha geração, nasceste cansada, mimada, doente por tudo e por nada,
com medo de ser inventada, o que é que te falta agora que não te falta nada?
Poderá uma pobre canção contribuir para a tua regeneração
ou só te resta morrer desintegrada?

Mas, minha geração, valeu a trapaça, até teve graça,
tanta conversa, tanta utopia tonta, tanto copo,
e a comida estava óptima! O que vamos fazer?

(JP Simões)

Etiquetas:

2 Comments:

Anonymous o anónimo do costume said...

Ora, ora, quando disseste que tinhas uma prenda para mim não imaginei que fosse uma canção aqui nos "nossos dias"... ou não era para mim, esta? É que pareceu... ;-)

5:03 da tarde  
Blogger Nuno Guronsan said...

Não me deste tempo para deixar aqui a dedicatória a um anónimo do costume que, apesar de ser um recente amigo, é daqueles que vale a pena conservar como um se de um tesouro precioso se tratasse. Tenho muito orgulho em te conhecer, meu caro. E penso que o bardo de serviço, mr. Simões, também concordaria comigo.

Tem um óptimo dia, meu amigo, e aqui fica então uma das prendas que tenho para te dar. Abraço enorme.

5:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home