sábado, janeiro 06, 2007

Acordar Tarde


tocas as flores murchas que alguém te ofereceu
quando o rio parou de correr e a noite
foi tão luminosa quanto a mota que falhou
a curva - e o serviço postal não funcionou
no dia seguinte

procuras ávido aquilo que o mar não devorou
e passas a língua na cola dos selos lambidos
por assassinos - e a tua mão segurando a faca
cujo gume possui a fatalidade do sangue contaminado
dos amantes ocasionais - nada a fazer

irás sozinho vida dentro
os braços estendidos como se entrasses na água
o corpo num arco de pedra tenso simulando
a casa
onde me abrigo do mortal brilho do meio-dia

(Jorge Palma)






Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Maçã de Junho said...

Fabuloso poema do grande poeta Al Berto, muito bem musicado pelo Jorge.
Agenda artística de Jorge Palma actualizada em www.bloguepalmaniaco.blogspot.com
newsletter/informações: contactar ladoerradodanoite@hotmail.com

4:29 da tarde  
Blogger Nuno Guronsan said...

Obrigado pela visita. Saudações a todos os "palmaníacos"!

6:33 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home